sexta-feira, 1 de maio de 2009

Gripe? Parece-me um pouco de exagero...

Nesse momento peço licença aos leitores para fazer minha primeira citação nesse espaço. Trata-se da falação e espetacularização na mídia brasileira e internacional a respeito da "perigosíssima" gripe suína ou qualquer nome que o valha (os criadores de porcos podem ficar com raivinha...). Azenha, em seu blog Vi o Mundo, dispensa de eu fazer qualquer aprofundamento sobre esse assunto. Vejam o que ele disse.

por Luiz Carlos Azenha

Lá vamos nós, de novo, embarcar na montanha russa da mídia. Agora é a vez de você, caro telespectador, curtir todas as emoções da gripe seja-lá-como-decidiram-batizá-la.

Uma amiga, no México, me liga: e aí? Fique tranquila. Você não vai pegar gripe. Como assim? Respondo: quantos casos OFICIAIS existem no México? Algumas centenas? Ora, se a Cidade do México tem 22 milhões de habitantes a chance de você pegar a gripe E morrer é tão grande quanto a de acertar na Mega Sena. Oficialmente, ao que eu sei, são menos de 10 mortes no México, que é o epicentro da "epidemia".

Além disso, as chances de você se recuperar da gripe são grandes. É só comparar a relação casos confirmados/mortes no México ou fora dele.

Quantas mortes a malária causa anualmente? Um milhão. Isso mesmo: um milhão de pessoas morrem de malária, doença de pobre, todo ano. É por isso que minha amiga, ao circular na periferia da Cidade do México, descobriu que ninguém usa a máscara. O mexicano comum sabe que é mais provável que morra "atirado" ou atropelado do que de gripe.

Nos próximos dias, teremos todas as manchetes óbvias sobre os bebês, os anões e as mulheres grávidas que pereceram diante da "nova" enfermidade. Meu coração ficará com as vítimas e suas famílias. Nunca com os repórteres que vão fingir preocupação diante de hospitais e centros de pesquisa. Eles estarão a serviço do "espetáculo da gripe", assim como estiveram, não faz muito tempo, a serviço do sacrifício ritual da adolescente Eloá.

"Mas, Azenha, você não acredita na TV?". Costumo dizer que cobro um preço para fazer TV. Para assistir custa mais caro. Não suporto mais "indignação", "preocupação" e "emoção" ensaiadas, de estúdio, essa farsa repetitiva que ocupa o espaço entre dois comerciais.

2 comentários:

  1. E sem falar no número de mortes por dengue que temos no Brasil todos os anos. 158 mortes por dengue hemorrágica em 2008, sem contar com os casos por outras formas da doença.

    Parabéns pelo blog.

    ResponderExcluir
  2. Fazendo alusão à possível pandemia, assim foi com o turismo que se espalhou pelo mundo com o surgimento do transporte aéreo. Sobre tudo no "país tropical, abençoado por Deus e bonito por natureza".

    A chegada dos complexos hoteleiros e resorts trouxeram renda e emprego para o nosso Estado (CE), mas nossas comunidades nativas pagaram caro, perderam terras, valores e costumes.

    Sei que não não posso ser xiita, sei que o desenvolvimento é necessário, mas não em detrimento de valores sócio-culturais.

    O Comentário não tem muito a ver com o post, mas é o desabafo de um geógrafo que estuda erosão, evolução e transporte de sedimentos na zona costeira; mas que não pode deixar de observar as condições de vida dos famigerados "povos do mar".

    ResponderExcluir

Não se utilizem de comentários ofensivos, que utilizem expressões de baixo calão ou preconceituosas. A bodega é livre, mas exige respeito.